22.7 C
New York
Thursday, October 6, 2022

Buy now

spot_img

PJ exclui crime no caso de sem-abrigo queimado

Sem-abrigo de 52 anos queixou-se de que lhe puseram fogo enquanto dormia, num túnel pedonal no centro do Porto. Todavia, autoridades afastam intervenção de terceiros.

Um sem-abrigo ficou queimado nesta madrugada de quinta-feira enquanto dormia numa passagem por baixo de um prédio, na rua Barros Lima, no Porto. O homem, de 52 anos, sofreu queimaduras de segundo grau nas costas e nas mãos. A PJ já excluiu a intervenção de terceiros e aponta para um cigarro aceso como causa do fogo.

O caso ocorreu esta madrugada. Pouco depois das 8 horas, Rui Pedro, conhecido como “Gigio”, foi à porta do Hospital Joaquim Urbano, do qual é utente. Perguntou se lhe podiam dar roupas porque as dele tinham ardido.

Tinha buraco na camisola e pele amarela

“Puseram-me fogo”, explicou Gigio, virando-se para mostrar as costas. Tinha um buraco na camisola e a pele amarela de queimada. As enfermeiras deram-lhe os primeiros socorros e chamaram o INEM. Deu entrada no Hospital de São João e ficou internado na Unidade de Cirurgia Plástica e Reconstrução.

“Ele não estava muito em si”, explicou ao JN uma testemunha que não se quis identificar. Disse que alguém lhe pôs fogo e acordou com o casaco a arder. Despiu-o, enrolou-se no cobertor e voltou a dormir. Na vizinhança ninguém se terá apercebido de nada anormal durante a noite.

Cigarro aceso causou fogo

Inicialmente, julgou tratar-se de crime até porque já tinham incendiado pertences de sem-abrigo que ali pernoitavam para os afugentar do local. Porém, após uma investigação preliminar da PJ, tudo aponta para que um cigarro aceso esquecido tenha incendiado o casaco de Gigio, que era feito de um material altamente inflamável. Quando este se apercebeu, já tinha as costas queimadas. Despiu o casaco, apagou as chamas e continuou a dormir.

Gigio assentara ali arraiais há pouco tempo. Até há um mês, residia com a mãe em Gondomar, mas zangaram-se e ele foi morar para a rua. Ficou a pernoitar naquele local por ficar perto do hospital Joaquim Urbano onde tomava medicação diária para as doenças de que padecia.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga-nos

0FãsCurtir
3,514SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Atrasados