23.6 C
New York
Thursday, October 6, 2022

Buy now

spot_img

Morte brutal de uma mulher choca o mundo árabe

Investigadores dizem que Naira Ashraf foi fatalmente apunhalada por um homem depois de ter rejeitado os seus avanços. Ele tinha-a pedido em casamento

A morte brutal de uma jovem mulher em plena luz do dia numa rua egípcia chocou o mundo árabe, trazendo para a ribalta a crise de violência baseada no género no país.

Naira Ashraf, 21 anos, foi fatalmente apunhalada na segunda-feira por um homem cujos avanços ela rejeitou, segundo os procuradores egípcios que disseram que o suspeito foi preso às portas da Universidade de Mansoura, no norte do Egipto, onde o incidente teve lugar e onde Ashraf estava a estudar.

O vídeo de uma câmara de vigilância próxima, mostrando um homem a atacar uma mulher fora da universidade, foi viral em todo o mundo árabe esta semana. Um advogado da família de Ashraf confirmou à CNN que o vídeo mostra o incidente em que Ashraf foi morta.

A acusação egípcia disse que o suspeito tinha sido encaminhado para o tribunal criminal e que seria julgado por homicídio premeditado. A primeira audiência do tribunal está agendada para domingo. A CNN não conseguiu contactar o suspeito ou a sua família para comentários, e não ficou imediatamente claro se ele tinha advogado.

Os peritos em direitos das mulheres no Egipto afirmam que o problema da violência baseada no género é generalizado no país, e que uma série de deficiências sociais e legais continuam a dificultar uma ação adequada.

“Definitivamente, o assassinato de Naira não foi um incidente isolado”, disse Lobna Darwish, oficial de género e direitos humanos da Iniciativa Egípcia para os Direitos Pessoais (EIPR), à CNN. “[Mas] estamos [agora] a ver mais cobertura da violência contra as mulheres”.

Faltam dados, uma vez que tais incidentes não são devidamente documentados pelo Estado, disse Darwish, mas os casos de abuso são vistos nos noticiários numa base quase mensal. “Estamos a ver padrões que são alarmantes”, acrescentou.

O equivalente árabe da hashtag #Justice_for_Naira_Ashraf tem tido uma ampla tendência em todos os países árabes desde o assassinato.

“Precisamos de uma lei que combata a violência”, disse Azza Suliman, advogada egípcia e presidente do Centro para Mulheres Egípcias e Assistência Jurídica. Também é necessário que haja um discurso em torno das mulheres que seja respeitoso e digno, a fim de criar confiança entre as mulheres e o aparelho de Estado, acrescentou ela.

O pai da mulher assassinada, Ashraf Abdelkader, disse à CNN que o suspeito a tinha pedido em casamento várias vezes, mas foi rejeitado. O suspeito tinha também alegadamente criado relatos falsos para a seguir nas redes social, acrescentou. Eventualmente Abdelkader pediu uma ordem de restrição em abril.

“Ela não queria casar, queria seguir a sua carreira … e queria ser assistente de bordo”, disse Abdelkader.

Darwish disse que a vítima e a sua família esgotaram todas as medidas para proteger Ashraf, “e mais uma vez, todo o sistema – quer social ou legal, falhou”.

Suliman disse que para que as mulheres se sintam à vontade para relatar tais incidentes, há necessidade de “reabilitar os canais de justiça, que incluem a polícia, os juízes, e a acusação”.

Alguns reagiram ao assassinato atribuindo a culpa à vítima. Um antigo apresentador de TV controverso, Mabrouk Atteya, disse num vídeo nas redes sociais que as mulheres “deveriam encobrir-se” para impedir os homens de as matar.

“As mulheres e as raparigas devem encobrir-se e vestir-se de forma larga para impedir a tentação… se sentirem que a vossa vida é preciosa, saiam de casa completamente cobertas para impedir que aqueles que vos querem vos matem”, disse Atteya numa transmissão ao vivo.

Os comentários de Atteya provocaram indignação nas redes sociais e estimularam uma campanha apelando à sua prisão.

Darwish observou que, enquanto o Egipto avança com leis de assédio sexual mais duras, falta ainda a aplicação da lei tanto entre a polícia como entre a sociedade, o que por sua vez desencoraja muitas mulheres de procurarem assistência jurídica.

Os Serviços de Informação do Estado do Egipto não responderam ao pedido de comentários da CNN. O Conselho Nacional das Mulheres do Egipto não pôde ser contactado.

O assédio é ilegal no Egipto, e em junho do ano passado o Estado reforçou as leis de assédio sexual, aumentando as multas e prolongando as penas de prisão, de acordo com os meios de comunicação estatais.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em 2019 classificou o Egipto em 108 entre 162 países medidos sobre desigualdades de género na saúde, empoderamento e actividade económica.

No ano passado, nove mulheres foram processadas sob a acusação de violação de valores familiares depois de terem colocado vídeos em que dançavam e cantavam e convidando milhões de seguidores a ganhar dinheiro em plataformas de redes sociais, informou a Reuters.

“Quando o Estado apoia este tipo de discurso de qualquer forma, criminalizando as mulheres pela forma como se vestem ou como se apresentam, dá luz verde a estas pessoas”, disse Darwish, referindo-se aos homens que colocam o ónus da modéstia e da moralidade nas mulheres.

“Isto acontece muito”, disse Darwish, referindo-se à violência contra as mulheres. “Mas não perante as câmaras”.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga-nos

0FãsCurtir
3,515SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Atrasados