26.7 C
New York
Sunday, August 7, 2022

Buy now

spot_img

Mahdi perdeu a filha na confusão do tiroteio em Copenhaga. E olhou de frente o suspeito enquanto a procurava

A preocupação com a filha falava mais alto. Ainda assim, Mahdi Al-Wazni agarrou no telemóvel e começou a filmar, numa tentativa de demover o atirador. Esta é uma história com final feliz, numa tarde que acabou por ser trágica

Era um domingo parecido a tantos outros para Mahdi Al-Wazni, de 34 anos. Em família, a fazer uma refeição num dos restaurantes do Field’s, em Copenhaga, Dinamarca. Até que o pânico se instalou à sua volta, com um tiroteio no centro comercial.

“Estava na zona dos restaurantes, no andar de cima do Field’s, com a minha família, quando ouvimos pessoas a gritar e a fugir, à procura de uma saída. Pedi ao meu irmão que juntasse as crianças, para que pudéssemos ir embora”, conta à imprensa dinamarquesa.

Mas, de súbito, Mahdi percebeu que a filha de dois anos não estava ali. Foi quando foi à procura dela que se cruzou com o atirador, que as autoridades confirmaram ser um dinamarquês de 22 anos. A primeira reação foi começar a filmar, para que o suspeito – que usava roupa de caça – não disparasse. Ficaram olhos nos olhos.

“Ele riu-se e disse que não eram tiros a sério, talvez estivesse a tentar enganar-me, para que me aproximasse. Ele disparou sobre janelas, partiu-as. Penso que cinco ou seis vezes, mas não o vi a atingir ninguém”, recorda.

A polícia apareceu pouco depois, após um alerta dado por volta das 17:30. O suspeito saiu pelo próprio pé do centro comercial, sendo detido no exterior. As autoridades indicam que terá feito vários mortos e feridos, embora sem concretizar números.

Madhi havia de encontrar a filha. A menina esteve fechada numa divisão com outro membro da família durante várias horas. “Tinha medo de que algo lhe acontecesse. Não senti mais nada enquanto estive à frente dele. Tinha de encontrá-la. Depois comecei a filmar para garantir que havia de registar se ele quisesse disparar sobre mim.”

Desde 2015 que a Dinamarca não assistia a um ataque desta natureza. Na altura, o autor, também com 22 anos, matou um homem num debate organizado por um cartoonista de Maomé e um outro homem numa sinagoga no centro de Copenhaga. Ao contrário do que aconteceu este domingo, foi abatido pela polícia.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga-nos

0FãsCurtir
3,426SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Atrasados