30.1 C
New York
Sunday, July 3, 2022

Buy now

spot_img

Com o GitHub, a Telus quer trazer “foco, ritmo e alegria” para os desenvolvedores – Microsoft News Center Brasil

Por Deborah Bach 

 

Para Katie Peters, teria sido bom ter alguém para apoiá-la quando ela começou sua carreira em tecnologia. 

Em seu primeiro ano na University of British Columbia, as turmas das aulas de ciência da computação de Peters tinham quase os mesmos números de homens e mulheres. Mas a maioria de suas colegas logo mudou de curso e, no último ano de Peters, havia, naturalmente, apenas duas ou três mulheres nessas turmas. Ela se sentia cada vez mais isolada e desconfortável ao pedir ajuda. 

Depois de se formar em ciência da computação em 2012, Peters conseguiu um emprego como desenvolvedora de software para a TELUS, uma empresa canadense de telecomunicações. Ao entrar em uma organização com mais de 90.000 funcionários, Peters achou desafiador se orientar em meio a seus processos e sua estrutura. Então, quando o cargo de desenvolvedora de equipe foi aberto na nova equipe de produtividade de engenharia da TELUS, no segundo semestre de 2021, Peters aproveitou a oportunidade. 

“Eu queria ser a pessoa que eu gostaria que tivesse me ajudado”, diz Peters, que começou no cargo em outubro passado. “Existem tantos processos complicados em uma empresa tão grande quanto a TELUS que é difícil navegar. Você acaba se sentindo perdida a maior parte do tempo e precisa fazer muitas perguntas. Eu não quero que outras pessoas tenham essa sensação, eu quero melhorar isso.” 

Peters é “brilhante como desenvolvedora e como especialista em tecnologia”, diz Justin Watts, chefe da equipe de produtividade de engenharia da TELUS.

Peters agora está ajudando a liderar uma iniciativa destinada a mudar a cultura da TELUS para capacitar melhor seus desenvolvedores. Grande parte desse esforço está focado em incentivar a adoção generalizada da plataforma de hospedagem de código da Microsoft GitHub, para ajudar a automatizar o desenvolvimento de software na TELUS e facilitar a colaboração dos cerca de 4.000 desenvolvedores da empresa. A TELUS recentemente disponibilizou o GitHub em toda a empresa e assinou um contrato com a Microsoft para ajudar a gerenciar o uso da plataforma em nível empresarial e fornecer treinamento do GitHub aos desenvolvedores. 

Justin Watts, chefe de experiência de desenvolvedor da TELUS, diz que a atuação de Peters como desenvolvedora e seu cargo anterior na equipe de arquitetura corporativa da TELUS fazem dela a pessoa ideal para ajudar a redefinir a abordagem da empresa para desenvolvimento de software. 

“Tudo isso está sendo conduzido por Katie e pela visão que ela tem”, diz Watts, que lidera a equipe de produtividade de engenharia. “Katie é ótima em capturar esse relacionamento com o desenvolvedor e quais são nossos objetivos. Ela é brilhante como desenvolvedora e como especialista em tecnologia. 

“Ela é vista como uma especialista sênior e muito influente na empresa.” 

Justin Watts

Peters já está mudando as coisas. Ela se inspirou no romance “The Unicorn Project”, escrito em 2019 por Gene Kim, sobre um grupo de desenvolvedores rebeldes que busca derrubar o sistema e tornar o trabalho mais gratificante. Peters substituiu os decks de apresentação tradicionais por outros com designs ousados, tons de rosa e roxo e desenhos de unicórnios, e adotou o mantra do livro de trazer “foco, ritmo e alegria” para os desenvolvedores. 

O blog Transform conversou recentemente via Microsoft Teams com Peters, que mora em Vancouver com o marido e a filha de 2 anos. A entrevista foi resumida por questões de tamanho e clareza. 

TRANSFORM: Por que a equipe de produtividade de engenharia foi formada e qual é sua missão? 

PETERS: Estamos fazendo a transição para a nuvem para desenvolvimento de software há algum tempo, mas é um desafio. Ela simplifica bastante as operações complicadas e transforma essas coisas em código. Em vez de precisar que um profissional de operações crie manualmente um servidor sob medida para o desenvolvedor hospedar seu aplicativo, a definição desse servidor é padronizada e codificada de forma que possa ser armazenada e gerenciada junto com o código do aplicativo. 

Isso torna mais fácil para um desenvolvedor gerenciar o processo sozinho, mas agora espera-se que eles dominem essa definição de servidor, sendo que alguns nunca tiveram contato com o lado operacional do desenvolvimento de software. Essa é uma transição muito difícil para as pessoas. E muitos processos mais antigos ainda não foram atualizados para o desenvolvimento na nuvem. Estamos dando aos desenvolvedores mais liberdade e mais responsabilidade em áreas em que eles ainda podem não ter experiência. Portanto, temos que fazer com que isso não seja um fardo para eles. 

Nossa equipe existe para ajudar os desenvolvedores a fazer essa transição para a nuvem e atualizar os processos anteriores para o novo paradigma da nuvem. 

TRANSFORM: Por que a TELUS viu a necessidade de mudar a forma como o desenvolvimento de software é feito? 

PETERS: Precisamos nos manter inovadores e criativos. Precisamos ser capazes de reagir rapidamente ao mercado e, se quisermos fazer isso, precisamos dar aos desenvolvedores o tempo, o espaço e a segurança para fazer isso, além de garantir que o que eles estão construindo seja seguro e confiável. 

Sede da TELUS no centro de Vancouver, Colúmbia.

Para nos permitir avançar rapidamente sem sacrificar a segurança e a confiabilidade, precisamos fazer com que a experiência do desenvolvedor seja o nosso foco. Eu penso nos desenvolvedores como meus clientes, e nas experiências que posso oferecer a eles para que eles continuem ousando e inovando. Eu preciso remover o máximo de obstáculos para tornar o processo o mais simples e rápido possível para que eles possam continuar inovando. 

TRANSFORM: Que papel o GitHub pode desempenhar para ajudar os desenvolvedores a mudar para esse novo paradigma de nuvem? 

PETERS: O GitHub costumava servir apenas para armazenar o código-fonte, mas agora tem muitos outros recursos. Quando você está escrevendo código, por exemplo, você precisa fazer um plano e distribuir tarefas para as pessoas. Podemos usar projetos do GitHub para isso. 

Depois de desenvolver o código, existem ferramentas que você pode usar para informar se há problemas com a forma como você o escreveu. No passado, esperávamos até que estivéssemos liberando esse código para nossos clientes para executar esses testes. Quando as coisas davam errado, era muito caro. Agora, os desenvolvedores podem enviar seu código de volta ao repositório público no GitHub para o resto da equipe ver. Em seguida, podemos executar todos esses testes automatizados e verificações de segurança para que seja mais fácil fazer correções na hora. Antes, esse feedback podia levar meses. 

Com o GitHub assumindo esse ciclo de vida do desenvolvedor, podemos automatizar tarefas para termos visibilidade sobre onde os desenvolvedores estão e o que estão fazendo. Isso gera métricas sobre como podemos aprimorar a experiência e torná-la melhor para as pessoas. 

TRANSFORMAR: O GitHub é, em última análise, uma ferramenta. Em que outros componentes você está pensando para impulsionar essa mudança cultural na TELUS? 

PETERS: Como uma grande empresa, a TELUS pode ser um pouco formal. É difícil para as pessoas pedirem ajuda. Nós realmente queríamos mudar essa cultura. Queríamos ser abertos e acessíveis e deixar as pessoas desabafarem conosco em um lugar seguro para compartilhar seus problemas. Dessa forma, podemos entender todas as pequenas coisas que criam grandes questões. 

Peters se inspira em ‘The Unicorn Project’, um romance sobre um grupo de desenvolvedores renegados.

Temos muitas pessoas realmente criativas na TELUS, muitos desenvolvedores talentosos, e eles criam maneiras interessantes de lidar com o status quo que não resolvem o problema para mais ninguém – são jeitinhos que eles inventam. Precisamos que as pessoas se sintam seguras em nos procurar com seus problemas e confiem em nós para ajudá-las a resolvê-los, para que possamos levar isso a todos e impulsionar essa melhoria em todos os aspectos. 

TRANSFORM: Como começou seu interesse por computadores? 

PETERS: Meus pais realmente queriam que eu me interessasse por computadores, então eles compraram meu próprio computador quando eu era criança. Eles me mandavam para acampamentos de construção de robôs e de desenvolvimento de software, e outrosa. 

Comecei a jogar videogame aos 4 anos de idade. Joguei Putt-Putt Goes to the Moon e Fatty Bear’s Birthday Surprise. Eu adorava todos os tipos de videogames. Morrowind foi outro grande jogo para mim. Eles tinham uma comunidade de mods, e eu aprendi muito sobre computadores em geral participando dessa comunidade (modding é a prática de alterar ou criar conteúdo para videogames). 

Eu queria trabalhar na indústria de videogames, mas quando me candidatei a estágios durante a universidade, entrei na Sierra Wireless (uma provedora canadense de soluções de IoT). Eu gostei da minha experiência com a consistência e a estabilidade do setor de telecomunicações e da sensação de que você está contribuindo para algo importante. Levar internet para as pessoas é muito importante. 

TRANSFORM: Você disse que às vezes se sentia como se tivesse síndrome do impostor. Você se sentiu assim particularmente como desenvolvedora? 

PETERS: Eu sempre tive muita síndrome do impostor, o que acho que é verdade para muitos desenvolvedores de software. Eu não sou única nesse sentido. Eu acho que é pior como mulher, mas acho que é comum no desenvolvimento de software ter esse tipo de sentimento. A indústria está meio mergulhada nessa mitologia de geeks realmente inteligentes que vivem e respiram ciência da computação e constroem o Google ou a Microsoft em seu porão, e são todos gênios e sempre sabem tudo sobre tudo. 

A TELUS, que emprega cerca de 4.000 desenvolvedores, está usando o GitHub para transformar sua abordagem de desenvolvimento de software.

Há expectativas muito altas na indústria de software em geral, e acho que todo mundo passa por isso, mas acho que é mais forte para uma mulher. Porque a sensação, pelo menos quando comecei na indústria, era que eu realmente não sabia o que estava fazendo. Eu era uma fraude e só tinha conquistado a vaga por ser mulher. Então eu tive que trabalhar muito duro para parecer mais inteligente. 

TRANSFORM: É importante para você, como mulher nessa função, atrair mais para o campo? 

PETERS: Com certeza. Quando você é a única mulher, pode ser realmente desafiador. E quando você tem uma ou duas mulheres em um grupo grande, às vezes você pode ser levada a um sentimento estranho de competição com elas. As pessoas estão sempre comparando você com as outras mulheres. 

Mas quando há uma massa crítica feminina, você realmente se sente confortável trabalhando com outras mulheres que normalmente passaram pelas mesmas experiências. Você começa a se abrir de uma maneira, que talvez não fosse capaz se fosse de outra forma. A maioria das mulheres que encontro na ciência da computação são solidárias e amigáveis. 

Sempre fico feliz em ver mais mulheres na indústria. Fico feliz de poder ajudar em qualquer oportunidade que eu tenha de tentar tornar isso mais fácil para alguém. 

 


No topo: Katie Peters na varanda na sede da TELUS em Vancouver, B.C. (Foto de Justin Watts cortesia de Justin Watts; todas as outras fotos de Jennifer Gauthier) 

Tags: GitHub

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Siga-nos

0FãsCurtir
3,375SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Atrasados